graur

29/12/2008

não acredito em horóscopo, mas que o leio, o leio. e eu gosto paca de ser de gêmeos (e quem não gosta do seu signo?), apesar dos defeitos que são creditados aos nativos, como duas-caras, mau-humorado e volúvel. também somos chamados de cínicos e até charlatães – vejam só que beleza. mas isso não é problema, porque o geminiano tem uma qualidade que bate todos esses desvios de caráter aí de cima: a versatilidade. sou metida a entender de tudo, a ler qualquer tipo de coisa e a falar com toda qualidade de gente.

geminiana – e dessa raça eu entendo, só aqui em casa somos quatro, se puder contar com a minha perra cachorra – tem opinião sobre tudo, mas não teima. se alguém argumentar bonito, concordaremos que o céu é cor-de-burro-quando-foge. porque se tem uma coisa que nos deslumbra não é carrão, nem lindos olhos, nem pau grande: é inteligência.

pois eis que comentam comigo que a pessoa, perto dos 30 anos, começa a sofrer mutações astrológicas. passa a  ficar com mais características do ascendente do que do signo solar. e nesse caso, minha gente, más notícias – não para mim, mas para os que me rodeiam: vou ficar mais leonina. aí, troca o mau-humor por ambição, cinismo por infidelidade, sarcasmo por falta de escrúpulos e charlatanismo por fanfarronice. na listinha de qualidades, nobreza, afetuosidade e generosidade. parece bom, né? pena que vem no pacote arrogância e vaidade.

enquanto estou lúcida, autorizo a todos que me belisquem quando eu começar a me achar demais.

o capitão

21/12/2008

desde que entrei na faculdade, em 1997… opa, opa, já começo a me perder. acho que foi adentrando os anos 2000 que essa turma começou a fazer amigo secreto. desde a época do papelzinho e dos presentes de balaio da multisom, muita gente entrou e saiu dessa nominata, mas a maioria permanece neste tempo todo. os presentes subiram de preço, os sorteios viraram online, sem medo de tirar seu próprio nome e sem o perigo de fraudes.

o local também varia bastante, já que alguém tem de estar disposto a ceder sua casa para no mínimo 12 horas de confraternização. só tem um pré-requisito: tem de ser um lar. não pode ser um restaurante ou qualquer outro lugar público do qual possamos ser expulsos. nos últimos tempos, ficamos mais exigentes. é importante também que haja piscina, já que no mês de dezembro em porto alegre até marinheiro em terra firme na bunda sua.

no entanto, mais importante que a piscina, é a churrasqueira. em reunião festiva de gaúcho, é heresia não tostar nacos de um novilho jovem, enquanto se entope o estômago de pão com alho e salsichão borússia. quando éramos mais jovens e pobres, cacetinhos dormidos e salsichão eram suficientes para aplacara a nossa fome. o que importava mesmo era a cerveja que, contanto que não fosse kaiser, poderia ser qualquer uma, desde que gelada a ponto de amortecer a língua.

mas a idade, ah, esta é inexorável e, com ela, vêm os apetites. um ano, surgiu a carne, e nos regojizamos. depois, veio a salada de batata. o queijo provolone. ultimamente abro a geladeira e não encontro nada menos que brahma extra no congelador dos churrascos.

eis que, neste ano, uma votação inesperada surge no meu mail: qual será o assador do nosso churrasco? e abaixo, uma lista de indicações. confesso que foi um baque. assador? peralá, assador é coisa de churrasco de tiozão! aparentemente, nossos amigos que costumam assar os churrascos cansaram de fazê-lo e decidiram que seria mais prático contratar um terceiro para executar o serviço.

parece uma coisa simples. precisa-se de um serviço, e contrata-se alguém para fazê-lo. só. mas não é isso. é o que estamos nos tornando. senhoras e senhores. para o próximo ano, prevejo garçons. em 2010, recreacionistas para os filhos dos casais. em 2011, uma unidade móvel da unimed!

em tempo: o vencedor da disputa para assar nosso churras foi o capitão. não pelo preço ou por diferencial no serviço, mas pelo apelido. pelo menos, mantivemos o bom-humor.