e já é quase 31

28/04/2010

o friozito começa e me fez lembrar deste blog. melhor aos 30? depois de quase um ano na terceira década, não tenho resposta pra isso – é óbvio, se tivesse tal ensinamento, teria escrito o livro definitivo, ficado rica e – pelo menos neste setor – estaria melhor aos 30.

o que dá pra dizer, sem medo de errar, é que as coisas ficaram um pouco mais complicadas neste ano – ou ainda, no acumulado dos doze meses. neste período, rolou um namoro que foi uma coisa de louco (quem sabe um dia eu desapego e conto aqui porque), mas que foi uma catarse. depois de um namoro e um final civilizados e de uma assepsia de hospital. sem sangue, sem mortos e (quase) sem feridos, diria que veio a calhar. se o anterior era música de elevador, este foi um tango hardcore, terminamos esfaqueados – e curiosamente não tenho uma mágoa sequer do parceiro de dança.

também neste período, deixei o emprego mais estável do mundo pra me juntar com outros dois – agora três – malucos. que também estavam querendo ver sangue.

se aos 29, a urgência estava me movendo – vamos casar logo, engravidar logo, decidir o futuro todo pra já -, os quase 31, se não me deixaram mais serena, fizeram ver que vida é movimento.